Francisco José do Nascimento, um líder contra a escravidão.

20/11/10

0


Herói do Ceará que conduziu o movimento que fez a paralisação do porto de Fortaleza em 1884 que impediu aos Dominadores, de exportarem Escravos do Ceara para o Sul do Brasil. E, com o Movimento vitorioso, Paralisando todo o porto, tiveram de lhes conceder a Liberdade, e no Ceará é Proclamado o fim da Escravidão, quatro anos antes do fim da escravidão no Brasil, que foi em 1888 e, que um ano depois chegou ao fim do Império. A Ação do Herói Dragão do Mar do Ceará desencadeou um movimento que mudou o Brasil, com o fim da escravidão e o Nascimento da República. Francisco José do Nascimento, Dragão do Mar do Ceará.


Francisco José do Nascimento, Dragão do Mar ou Chico da Matilde, foi o líder dos jangadeiros nas lutas abolicionistas. Ele nasceu no dia 15 de abril de 1839, há 160 anos, em Canoa Quebrada, Aracati. Francisco José do Nascimento Dragão do Mar - (1839-1914) Canoa Quebrada... Chico da Matilde, como era conhecido e seus companheiros impediram o comercio de escravos nas praias do Ceará. O avo antecipara a sina: fora engolido pelo mar em sua jangada. Já o pai de Francisco José do Nascimento morrera no oceano dos seringais amazônicos. Sua mãe, Matilde Maria da Conceição, o criará em meio a muitas dificuldades. Assim, Chico da Matilde, se viu, desde cedo, envolvido no cotidiano do litoral. Foi garoto de recados, em veleiro chamado de Tubarão. Com 20 anos de idade o Chico aprendeu a ler, enquanto embarcava em um navio que comercializava entre o estado do Ceará e estado do Maranhão. Nesse tempo, o motim de escravos do barco Laura Segunda, arrasando a tripulação, e seguindo pelo enforcamento de seus responsáveis, provocaria a indignação do mulato. O genocídio acontecera na Praça dos Mártires, atual Passeio Publico e se acrescentava a uma serie de barbaridades cotidianas, cometidas contra os de sua etnia, muitos deles também jangadeiros. Preconceito também constatado quando veio residir em Fortaleza. O revolucionário de Canoa Quebrada participa do fechamento do Porto de Fortaleza, impedindo o embarque de escravos para salvaguarda-los. Em vigília, localizava alguma embarcação que entrasse no Porto do Mucuripe e conduzia sua jangada ate ela para comunicar o rompimento do trafego negreiro no Estado. A história registrou seu brado literário. "Não há força bruta neste mundo que faça reabrir o Porto ao trafico negreiro. E, sob sua liderança, os jangadeiros cearenses abriram as velas de suas embarcações, na recepção de José do Patrocínio, em 1882" Não foi à toa, que ele estava na sessão da Assembléia, em 24 de maio de 1883, quando Fortaleza libertou seus escravos. Em 25 de março de 1884, acontece a libertação de todos os escravos da província. O que não concluiu suas lutas. Em 1889, reassume o cargo de pratico, por ordem do imperador, tornando-se Major Ajudante de Ordens do Secretario Geral do Comendo Superior da Guarda Nacional do Estado do Ceará, no ano seguinte. Entretanto, o desprezo foi pouco a pouco se tornando uma realidade entre os seus antigos parceiros abolicionistas, possivelmente, por conta de antagonias latentes entre seus antigos companheiros. O que não o impede de casar-se com a sobrinha de João Brígido, Ernesta Brígido, em 1902. defendia a participação da mulher na sociedade cearense, que insistia em dar mostras de conservar intacto o seu racismo. Dois anos depois, revolta-se contra a indicação, por sorteio, de chefes de família para a prestação de serviços militares, quando apenas os negros haviam sido Sorteados. Seu poder de liderança volta a ser constatado: promove uma greve dos trabalhadores de embarcações, mesmo sob as ameaças do governador Pedro Borges. Um morto e mais de 90 feridos cobram justiça em frente ao Palácio da Luz. O governador manda dispensar a canalha, mas a imponência do Dragão do Mar é mais convincente, marcando seu ultimo ato de bravura, antes de falecer, cinco anos depois, em seis de março de 1914.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro pelo conteúdo do blog, inclusive quanto a comentários; portanto, o autor deste blog reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal / familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Rede Liberdade | Todos os direitos reservados 2013 ©
Por Elke di Barros | Conheça o blog Templates e Acessórios